quinta-feira, 29 de novembro de 2012

A Jornada do Louco em sua Autodescoberta: O Imperador



Olá pessoal. Encontramo-nos com o terceiro dos quatro sábios da iniciação. O Imperador rege a praticidade e a lógica por trás de nossas ações. Até o momento, nos deparamos com qualidades receptivas, denotativas de nossa ação no ambiente. Com o Imperador somos convidados a sairmos do nosso “mundinho” e, mais que isso, gerarmos modificações no mundo dos outros. Estivemos até o momento receptivos às informações hauridas de sentimentos e sensações; agora, confiemos em nosso espírito combativo e empenhemo-nos em fazer valer nossa Vontade.


A nossa vontade é soberana. Acredite se quiser.
(...)fazemos nossas próprias leis, definimos as nossas realidades e depois nos vemos agindo dentro das restrições das nossas interpretações da realidade. (DICKERMAN, 78)
O Imperador é o senhor dos limites. E, interpretando corretamente essa frase, percebemos o universo de possibilidades que existem em um único limite. Somos treinados o tempo todo a superar os obstáculos, e é essa energia, esse momento do Caminho do Herói que nos norteia. Aqui, o Herói descobre que ele, a exemplo dos seus antepassados, consegue manter os limites descobertos anteriormente e os faz valer. Nessa carta, obtém-se a segurança de que, ainda que existam reinos a serem descobertos, o reino do Eu está em regularidade e segurança.
Se você tirou o Imperador na posição da separação, está na hora de enfrentar a escolha de ser independente, ainda que a bagagem que conseguiu o deixe à vontade em parar. Não é momento de obedecer, mas de servir – e aqui fica a reflexão entre a diferença entre uma coisa e outra. Se o Imperador saiu na posição da iniciação, está na hora de você manter. Ainda que seja conveniente encontrar novos rumos e inícios, ainda que sejamos o tempo todo bombardeados pelo novo, a segurança do que já se tem é o tema da questão. Agradeça. Se você tirou o Imperador na posição do retorno, a quem é que você deve uma explicação? Quem está te sentindo inconstante? O que foi que você construiu e deve se orgulhar?
Os exercícios propostos e a bibliografia utilizada estão em um arquivo PDF. Para baixar, clique aqui. Caso queira conhecer outras versões dessa carta, clique aqui.
Abraços a todos, até o próximo passo.

2 comentários:

  1. Passando para beber da fonte como inúmeras vezes o fiz. Apesar de um ano mais jovem, não deixo de apreciar o que de bom a juventude nos acrescenta.
    Um bom fim de tarde.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigado, Atir. Sigamos conversando, esteja à vontade. :)

      Excluir

Quando um monólogo se torna diálogo...