sábado, 1 de janeiro de 2011

Do blog de Luis Pellegrini: Espiritualidade e Religião

Olá pessoal. Repasso esse texto magnífico, do blog de Luis Pellegrini.


O físico Guido Nunes Lopes, da Universidade de Roraima, nos manda um recado importante sobre as diferenças entre religião e espiritualidade. Elas não são uma única e mesma coisa, isso é certo.



A religião não é apenas uma, são centenas.
A espiritualidade é apenas uma.
A religião é para os que dormem.
A espiritualidade é para os que estão despertos.
 A religião é para aqueles que necessitam que alguém lhes diga o que fazer, querem ser guiados.
A espiritualidade é para os que prestam atenção à sua Voz Interior.
A religião tem um conjunto de regras dogmáticas.
A espiritualidade te convida a raciocinar sobre tudo, a questionar tudo.
A religião ameaça e amedronta.
A espiritualidade lhe dá Paz Interior.
A religião fala de pecado e de culpa.
A espiritualidade lhe diz: “aprende com o erro”.

A religião reprime tudo, te faz falso.
A espiritualidade transcende tudo, te faz verdadeiro!
A religião não é Deus.
A espiritualidade é Tudo e portanto é Deus.

A religião inventa.
A espiritualidade descobre.
A religião não indaga nem questiona.
A espiritualidade questiona tudo.

A religião é humana, é uma organização com regras.
A espiritualidade é Divina, sem regras.
A religião é causa de divisões.
A espiritualidade é causa de União.

A religião lhe busca para que acredite.
A espiritualidade você tem que buscá-la.
A religião segue os preceitos de um livro sagrado.
A espiritualidade busca o sagrado em todos os livros.

A religião se alimenta do medo.
A espiritualidade se alimenta na Confiança e na Fé.
A religião faz viver no pensamento.
A espiritualidade faz Viver na Consciência.

A religião se ocupa com fazer.
A espiritualidade se ocupa com Ser.
A religião alimenta o ego.
A espiritualide nos faz Transcender.

A religião nos faz renunciar ao mundo.
A espiritualidade nos faz viver em Deus, não renunciar a Ele.
A religião é adoração.
A espiritualidade é Meditação.

A religião sonha com a glória e com o paraíso.
A espiritualidade nos faz viver a glória e o paraíso aqui e agora.
A religião vive no passado e no futuro.
A espiritualidade vive no presente.

A religião enclausura nossa memória.
A espiritualidade liberta nossa Consciência.
A religião crê na vida eterna.
A espiritualidade nos faz consciente da vida eterna.

A religião promete para depois da morte.
A espiritualidade é encontrar Deus em Nosso Interior durante a vida.

Guido Nunes Lopes
Físico / Physicist
Doutor em Energia Nuclear na Agricultura / Ph.D. in Nuclear Energy in Agriculture
ARC – Academia Roraimense de Ciências / Science Academy of Roraima (Brazil)
UFRR – Universidade Federal de Roraima / Federal University of Roraima (Brazil)

Abraços a todos.

5 comentários:

  1. Gostei mesmo, obrigada por repassar esse texto!

    ResponderExcluir
  2. Que maravilha essa postagem...ficou claramente explicado as características e diferenças entre religião e espiritualidade.

    Muito bom seu blog...voltarei outras vezes.

    abraços
    de luz e paz

    Hugo

    ResponderExcluir
  3. Bem, eu sou fã declarado e incorrigível do Luis Pellegrini, desde a introdução do Tarot de Marselha da Editora Pensamento até seus textos para a revista Planeta. Uma escolha dele é sempre uma boa escolha.
    E que texto melhor definiria o Eremita que esse? Cabe toda uma reflexão de como estamos interpretando essa lâmina em nossas vidas.
    Eu desejo a espiritualidade.
    E vocês?

    Gemini, HSLO, obrigado pelos comentários, voltem sempre; sempre serão bem vindos.

    ResponderExcluir
  4. PRECISO mencionar sobre um livro do autor Marcos Tadeu Cardoso intitulado de A VERDADEIRA FACE DOS LIDERES RELIGIOSOS, demias esse livro... Ele fala e desmascara o Bispo Edir Macedo e profeta William M. Branham. O autor desmascara e fala da corrupção e da manipulação dos fiéis, ele está disponibilizado gratuitamente no 4shared.
    O web site dele é
    http://marcostadeucardoso.blogspot.com

    ResponderExcluir
  5. Olá, anônimo. Obrigado pela indicação.

    ResponderExcluir

Quando um monólogo se torna diálogo...