segunda-feira, 2 de setembro de 2013

O Oráculo da Cabala, de Richard Seidman.



As 22 letras do alfabeto hebraico, o Aleph Beit, não são apenas elementos constitutivos de uma linguagem, mas algo muito mais profundo. Cada letra é uma chave antiga que pode nos ajudar a desvendar os grandes segredos do mundo espiritual, formando um conjunto de poderosos símbolos que nos dá a compreensão dos mistérios da nossa própria alma. Os ensinamentos do Aleph Beit fazem parte da Cabala, a tradição do misticismo judaico que, durante séculos, foi um segredo guardado a sete chaves. 

De acordo com a obra mais antiga sobre o misticismo judaico, o Sefer Yetzirah (O Livro da Criação), todo o universo se formou por meio da combinação dessas 22 letras, e os místicos da Antiguidade, intrigados com o poder divino que essas letras incorporam, meditavam acerca de suas formas, usando-as como portais pelos quais poderiam descobrir segredos do passado, do futuro e da alma humana. 

Inspirado por esses ensinamentos antigos, Richard Seidman criou O Oráculo da Cabala. Para dar vazão ao poder das letras, o leitor escolhe uma carta do baralho ao acaso e, então, usando o livro como guia, medita sobre o símbolo que ela reproduz. Cada uma das cartas nos inicia nos níveis mais profundos da intuição e da compreensão espiritual, ao mesmo tempo que nos ajuda a descobrir o potencial místico encerrado em cada um de nós.

Olá pessoal. Eu sou muito atento às repetições na minha vida. Existem sinais escondidos nelas. Como se tivéssemos que vivenciar algo, mas só através do reconhecimento da possibilidade. E, nesse caso, o reconhecimento começou há alguns meses atrás.
Estou me questionando - e muito - a respeito das atribuições propostas para as cartas. Aquilo que transcende o significado básico, que vai além do funcionamento, por assim dizer, óbvio. Entre essas coisas, quando se trata de Tarô, temos as letras hebraicas.
Essa atribuição é recente e controversa. A priori, tentou-se atribuir tacitamente as letras na ordem em que elas foram organizadas no alfabeto hebraico, ou seja, Aleph para o Mago, Beth para a Sacerdotisa, e por aí vai. No século XIX, porém, uma leitura mais atenta do Sepher Yetzirah por alguns estudiosos deu origem à consideração proposta pela Aurora Dourada, onde o Louco é Aleph e o Mago é Beth - uma atribuição que, curiosamente, muita gente usa sem saber de onde veio e porque veio. E daí para frente temos hibridismos e releituras várias, que mais confundem que explanam.
Curioso também que a maior parte dos baralhos que se propõe a adicionar o conteúdo cabalístico pertinente às letras sequer as explanam, como se fossem mistérios insolúveis (ou óbvios demais). Por essas e outras, o estudo das letras foi deixado de lado.
Não acho certo. Não acho justo. Não para mim.
Na Confraria  Brasileira de Tarot eu expus que não se deveria ignorar tacitamente a representação pictórica de uma carta em função do conceito universal (você pode baixar o texto que deu origem à palestra aqui). Aplicado ao contexto desse texto, se o baralho possui letras hebraicas, no mínimo dever-se-ia entender o porque disso. Mas, como disse antes, os livros publicados por aqui não se esmeram em oferecer esse conteúdo. No máximo, vemos referências de referências e, depois de um tempo, ao ler um texto, a gente consegue diferenciar bem a vivência da pesquisa. Eu vejo muita pesquisa, mas pouca vivência. Aí, evidentemente, dou razão para deixar-se de lado tais conceitos. 

Aí, o Marcelo Bueno nos oferece uma leitura fascinante da letra Beth à luz da iconografia do Petit Lenormand (e vice-versa) na nossa Blogagem Coletiva.  E novamente fiquei com a pulga atrás da orelha. Não é que as letras hebraicas não auxiliem na leitura do Tarô. Elas são pouco ou mal estudadas. Na pior das hipóteses, ambas as coisas.

Logo, eu precisava ler algo a respeito.
Há algum tempo, recebi de uma amiga muito querida, muito amada o Oráculo da Cabala (Pensamento) de presente. Não cheguei a lê-lo; ele estava esperando esse momento. Hoje, por acaso, ou sincronicidade, eu o tomei e abri, embaralhei suas cartas e tive uma ideia. Ao invés de lê-lo, tacitamente, eu vou vivê-lo.
Já fiz essa experiência antes, com os exercícios propostos pela Vivianne Crowley em Cabala: Um enfoque feminino (Pensamento). É impressionante como saímos mudados de uma experiência como essa.
Então, eu vou propor, para você leitor que possui essa obra, que aceite o mesmo desafio que me proponho para setembro:


Entre em espírito de oração, dentro das suas crenças. Seja fazendo uma oração, mesmo, ou acendendo uma vela e incenso, ou mesmo apenas fechando os olhos por alguns instantes. Conecte-se com aquilo que há de mais belo, puro, virtuoso e amoroso no seu universo.
Embaralhe as cartas. 
Corte, se desejar.
Coloque o maço sobre o altar e tire uma carta por dia. Execute, nesse dia, o exercício proposto pela carta.

Eu tirarei minha carta pela manhã, e postarei um comentário à noite na página do Conversas Cartomânticas. Acompanhe minha jornada, estejamos juntos nessa. Caso não possua essa obra, vale a pena adquirir.

Abração a todos. E vivenciemos essa jornada.

2 comentários:

  1. Manu! Beleza?! Estava aqui dando uma pesquisada básica sobre o Alef-Beit / Oráculo da Cabala e afins e eis que me deparei com essa sua postagem feita há quase dois anos! E aí, você chegou a fazer essa vivência proposta com o oráculo do Richard Seidman?! Estou pensando em comprar, para de alguma forma complementar e "me mover" nessa direção. Já faz um tempinho que fiz o curso com o Marcelo Bueno sobre o assunto. Abração!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Bruno! Eu faço essa vivência todo ano desde então!
      As postagens estão todas na página do Conversas no Facebook. Eu, particularmente, achei muito legal.
      Abração!

      Excluir

Quando um monólogo se torna diálogo...