segunda-feira, 5 de outubro de 2009

Tarots Japoneses ou: outros temas para os mesmos Arcanos



Olá pessoal.

Queria falar um pouco de um grupo de baralhos que conheci recentemente – os Tarots inspirados em mangás. Para quem não sabe, mangá é o estilo japonês de desenhar histórias em quadrinhos, todo próprio, e por sinal belíssimo, que já vemos despontar no Ocidente já há algum tempo. Entre os estilos de mangá temos o shonen, para meninos, o shojo, para meninas, o yaoi, de inspiração homossexual masculina, entre outros.
O mais belo do mangá é que, por vezes, uma página de história é, na verdade, um quadro. Aquarelas, muito uso do branco, jogo de luzes e enquadramentos diferenciados são utilizados para conceber um cenário todo próprio para a percepção dos sentimentos dos personagens envolvidos na ação. Por esse mesmo motivo, os olhos são grandes – facilitando assim a interpretação dos pensamentos e sentimentos que perpassam a mente do personagem.
Como todo aquele que passou sua infância no começo dos ’90, minha iniciação no mangá se deu através d’Os Cavaleiros do Zodíaco. Um sonho que prefiro deixar no passado para preservar meu respeito (a história no anime [desenho] possui muitas discrepâncias em relação à história do mangá – perdoem-me, fãs!). E, na antiga TV Manchete, ainda vi Shurato, Samurai Warriors (os “guerreiros guerreiros” ^^’), Supercampeões (Capitain Tsubasa, por favor), e o absoluto Yu Yu Hakusho – uma das mais belas e bem escritas histórias shonen que eu já acompanhei.
Com o aumento do interesse do mangá no Brasil, tivemos o início da publicação dos mesmos em grande escala – anteriormente, mangá era um artefato raro e caro (ok, só deixou de ser raro). E temos acesso a trabalhos belíssimos como Berserk, Evangelion, Samurai X (ok, entendo todos que passaram raiva quando o anime passou na TV aberta. EU TAMBÉM PASSEI RAIVA.)
O que me atraiu a atenção recentemente foram as interpretações do Tarot através de mangás. Desde Sakura Card Captors, fiquei interessado nesse aspecto do mangá. A referência mais direta é o Tarot Café (nada a ver com o Café Tarot do Leo Chioda; ele fala mais a respeito disso aqui), mas temos outras adaptações, como Naruto, Gundan Wing, Magic Knight Rayearth e, o que tem sido minha leitura de cabeceira, X.
X, da CLAMP, possui referências a diversas mitologias, mantém o mote “destino” como tema em uma boa colocação, e consegue inclusive responder a questão que atormenta todo mundo que gosta de seriado japonês: POR QUE QUE TUDO ACONTECE EM TÓQUIO E, POR CONSEQUENCIA, AFETA O MUNDO TODO???
No caso do X, é porque em Tóquio existem pilares (sei que não é esse o termo usado pela autora, mas aproxima-se do significado) que mantém o equilíbrio do mundo. (Ahn, tio, entendi. Brigadu! ^^’)
Ah, achei uma boa sinopse, retirada do site Anime Grátis. Confira:
1999... É o ano predestinado e Kamui Shiro, um adolescente de 15 anos com fortes poderes psíquicos, retornou a Tóquio. Depois de 6 anos de ausência, ele espera reencontrar seus amigos de infância, Fuuma (seu melhor amigo) e Kotori, a irmã mais nova de Fuuma . Ele quer protegê-los de todos os perigos, mas o destino persegue Kamui e puxa a ele e a seus amados amigos de infância. É o destino dele decidir o destino final do mundo, quer ele queira ou não. Agora ele tem que decidir se vai se unir aos Sete Selos, se tornar um dos Dragões do Paraíso e salvar a raça humana ou se vai se unir aos Sete Anjos, se tornar um Dragão da Terra e destruir toda a raça humana para que a Terra possa se curar da destruição que os humanos causaram durante sua existência.
Bacana ^^.
E, o motivo que inspirou esse post é que foram produzidas 78 lâminas (simmmm, o baralho completo) com os personagens do X, pela própria equipe da CLAMP (o que garante que não houveram anacronismos entre a interpretação dos criadores da história e dos intérpretes das alegorias - são todos o mesmo grupo...). E, particularmente, a interpretação dos Arcanos XVIII e XIX ficou simplesmente magnífica. Dê uma olhada aqui.
Fica aqui minha dúvida: o que você acha da utilização de temas oriundos de HQ’s, nesse caso específico do mangá, para ilustrar as cartas do Tarot ou outro baralho? Você já utilizou um baralho assim?
Abraços!

10 comentários:

  1. Eu tenho o sonho de criar minhas próprias cartas de tarot...com esse estilo de mangá (e o Clamp é o melhor grupo ever!)

    Mas do mesmo jeito que cada artista que cria sua própria versão do tarot (dai toda a diversidade de decks)...eu discordo um pouco de algumas ilustrações que não tem nada a ver com o simbolismo da carta. Se for possível, pra qualquer tipo de arte em ilustração de tarot, o melhor seria que se conservassem os símbolos.

    Mas pra falar de tarots com temática de anime/mangá....eu ainda fico com o Lunatic tarot *__* pela arte.....pq pelo simbolismo..algumas cartas deixam a desejar.

    Enfim...comentando sobre Tokyo...é pq os japoneses se acham o centro do univeeeeerso xDDD~~~a última bolacha do pacooote xDD~~~ E pq afinal tem que ser assim mesmo (os americanos não são cheios de fazer filmes catastróficos por lá mesmo? pelos EUA?)...E todos sabemos que japones é super patriota e talz =)

    Quem dera se o brasil tb fosse cheio de patriotas....mas cada um no seu quadrado como dizem...e a gente segue sendo melhor no futebol ._. (a gente virgula...pq eu detesto futebol >_<), e no samba...e em outras diversas coisas enfim.
    (nossa escrevi um livro de post ¬¬)

    ResponderExcluir
  2. Achei maravilhoso o deck! Fantástico! E o que achei intrigante foi o fato de que eu já havia esboçado minha Grande Sacerdotisa também com os pés imersos em águas :( mas tudo bem...
    Acredito que nós artistas ficamos impossibitados de apenas pintar mais do mesmo, então colocamos nas lâminas a intuição que temos sobre elas sem necessariamente ter que explicitar sua simbologia, porque ela pode ser apreendida de outras formas para os que já estão acostumados à seus estudos.
    Existem diversos tipos de tarôs realmente, como citou Salix Sam, mas tantos que podemos escolher entre os tarôs para estudos, os tarôs para inspiração e os tarôs que são apenas e nada mais que Arte.
    Eu sou apaixonada por vários e se pudesse seria uma grande colecionadora :)...quem sabe um dia consigo!

    ResponderExcluir
  3. Oi Salix! Quando comecei a desenhar meu primeiro baralho - um projeto hoje abandonado, pelo menos por ora - eu desenhava em estilo mangá (porque eu não saberia desenhar de outro jeito...>.<"). Eu compreendo a diversidade de decks como uma diversidade de olhares, sim, mas mangá é um estilo de desenho muito particular e nesse sentido por vezes sinto que o mangá concorre para "destoar" algumas lâminas.
    É, concordo com você. Poderíamos, enquanto brasileiros, ver-nos menos como favela e mais como país continente. Falta-nos patriotismo e reconhecimento de nosso passado de forma crítica (olha o papo de professor de História...). Porque ver-nos como futebol, bunda e Amazônia, somos vistos tanto aqui quanto no Japão (lembra do Capitain Tsubasa?) e nos EUA (Blanka, o "representante" do Brasil em trocentos Street Fighters).
    Adriana, eu já vi esse detalhe dos pés imersos em algum deck. Tô tentando me recordar para lhe repassar a informação. Acho que era uma releitura do Waite... =/ Não lembro agora. Mas lembrarei.
    As três definições de baralho que você deu são realmente, perfeitas: para estudo, para inspiração e como fruição artística. Mas todos são, inicialmente, voltados para a adivinhação... Aí complica.
    Abraços em todos!!!

    ResponderExcluir
  4. Ah...mas até que eles tentaram corrigir isso numa versão de street (street fighter 3)o Sean que nasceu em São Paulo ó ;D

    E não nos esqueçamos do Aldebaran de Touro (CDZ)...que era brasileiro =)

    Você esqueceu de mencionar os índios....pq vc sabe que aqui no Brasil é todo mundo índio...anda pelado e vive na oca né?

    Mas se algum de vocês criar um deck me avisa que eu quero ver blz? =)

    ResponderExcluir
  5. Uai... Taí uma possibilidade de reunirmos trabalhos de amigos!
    Que que vocês acham de propormos a publicação em conjunto de interpretações para os diversos arcanos? Eu topo!!! =)
    Poderíamos propor isso num naipe meio "cada um faz o que gosta", sem se importar (muito) com a ordem das cartas!
    Bjos!

    ResponderExcluir
  6. Não entento de cartas, mas tenho uma amiga que lê para mim sempre que estou com ela, muitas das vezes ela acertou. Abraços

    ResponderExcluir
  7. É isso aí, Emanuel.
    Um mundo a parte no mundo do tarot, mas parte essencial. Obrigado pela desambiguação.
    Grande abraço e sucesso!

    ResponderExcluir
  8. Gostei da idéia Emanuel! Eu também topo. Estou trabalhando com um tarô realmente simbólico e mais sério, mas ainda não posso publicá-lo, e enquanto isso estou desenhando aqueles que você já conhece em estilo "voadeira". Aliás, acabei de postar meu Mago...
    Beijos para todos!

    ResponderExcluir
  9. Adorei seu Mago, e já o comentei! =)
    Trabalharemos com o Tarot, então? Vou desenhar algo e posto em breve!
    Bjo!
    P.S.: Aguardamos a colaboração de todos!

    ResponderExcluir
  10. Obrigada pela visita e volte sempre!
    Interessante as questões relacionadas a cartas!
    Beijos Tempestuosos!

    ResponderExcluir

Quando um monólogo se torna diálogo...